Ucrânia: A paz em Donbas “requer a retirada completa das forças armadas russas”

Language
Português
Date
November 15, 2022
Author
Federico Fuentes Hanna Perekhoda
Tags
NATOWGoccupied
www (1)

Ao invadir a Ucrânia, o presidente russo Vladimir Putin declarou que os ucranianos não existiam, que o estado ucraniano era um erro histórico e que ele estava simplesmente retomando o que era da Rússia. Putin procurou justificar sua guerra como necessária para proteger os falantes de russo, particularmente aqueles em Donbas, no leste da Ucrânia.

A socialista ucraniana Hanna Perekhoda nasceu e foi criada em Donbas. Ela é doutoranda em história na Universidade de Lausanne, na Suíça, e é ativa na Rede Europeia de Solidariedade com a Ucrânia.

Federico Fuentes, da Green Left, entrevistou Perekhoda sobre a relação da Rússia com a Ucrânia, o papel da língua no conflito e a realidade do Donbas.

Você poderia explicar a natureza das relações entre a Rússia e a Ucrânia?

Para entender a guerra que Putin está travando contra a Ucrânia, é necessário considerar a auto-percepção e percepção do mundo forjado dentro da classe política russa, e o lugar que eles reservam para a Ucrânia dentro dela.

Para Putin, ucranianos e russos são “um e o mesmo povo”, enquanto a identidade nacional distinta dos ucranianos é uma conspiração tramada por aqueles que querem enfraquecer a Rússia. As elites czaristas também acreditavam que as potências rivais alimentavam o sentimento nacional ucraniano.

Há uma expressão bem conhecida: “A Rússia não tinha um império, era um império”. Suas colônias não estavam separadas geograficamente nem politicamente do núcleo imperial. O controle sobre a Ucrânia é uma pedra angular do projeto do império russo, mas também – e acima de tudo – do projeto da Nação Russa.

Sem a Ucrânia, a Rússia nunca teria se tornado uma potência imperial que se estendia pela Europa e Ásia; ao mesmo tempo, para as elites nacionalistas russas, sua nação é incompleta, se não impossível, sem os ucranianos dentro dela.

Putin vê a existência separada dos ucranianos como levando a uma inevitável destruição da nação russa. As narrativas nacionais da Ucrânia e da Rússia estão em total contradição: A Ucrânia como comunidade política só pode sobreviver fora da Rússia, porque a Rússia nega seu direito de existir.

A atual guerra russa na Ucrânia pode ser vista como uma manifestação extrema da luta que os nacionalistas russos estão empreendendo para se reconectar com seu passado a fim de ganhar uma posição no presente e se projetar no futuro.

Mas embora eu queira enfatizar que esta história é importante, ela não pode explicar completamente as razões para esta invasão. Ao contrário do que Putin acredita, a história não é um destino. O Putinismo e sua invasão da Ucrânia não é o simples produto de alguma inércia histórica.

As ideias de Putin e das classes dirigentes russas podem ser um produto dos últimos séculos, mas o regime político de Putin, que permitiu reativar essas ideias, é um produto dos últimos 20 anos.

Uma afirmação frequentemente repetida é que os falantes de russo são discriminados e o idioma russo é proibido na Ucrânia. Quão precisas são tais afirmações?

Com a virada imperial do estalinismo, o russo tornou-se a língua dominante em todas as áreas da vida pública soviética. Os cidadãos russos soviéticos e russificados também tiveram suas posições sociais privilegiadas garantidas nas repúblicas periféricas. Durante este processo, cada vez mais ucranianos abandonaram sua língua e cultura, que se tornaram marcadores de inferioridade cultural que dificultavam a mobilidade social.

A modernização soviética foi acompanhada por um fortalecimento da cultura imperial dominante que perpetuou desigualdades estruturais significativas entre os falantes de russo e ucraniano. A elite ucraniana pós-soviética não tem nem vontade nem meios para corrigir essas deficiências. Ao invés disso, suas políticas oportunistas procuraram preservar o status quo.

A partir de 2004, vários clãs oligárquicos alimentaram artificialmente a divisão sociolingüística para mobilizar seus eleitorados em torno de questões de identidade.

Em 2012, as forças políticas pró-rusas aprovaram uma lei para supostamente garantir a proteção das línguas minoritárias. Mas sua campanha na realidade procurava “defender a língua russa”.

Quando o presidente Viktor Yanukovych foi impugnado em 2014, o parlamento tentou revogar a lei. Embora esta decisão nunca tenha sido ratificada, a Rússia aproveitou a oportunidade para expressar preocupação com a discriminação contra os russos pelo que chamou de “junta fascista” na Ucrânia e justificar a interferência russa na Crimeia e em Donbas.

Em 2018, o parlamento adotou uma lei exigindo que o ucraniano fosse usado na maioria dos aspectos da vida pública e obrigando os funcionários do estado e do setor público a falar ucraniano ao se envolverem com o público.

Isto pode parecer surpreendente para as pessoas da Europa Ocidental. Mas a situação da Ucrânia, tendo obtido a independência há apenas trinta anos e tendo permanecido sob domínio político e cultural russo até 2014, não pode ser comparada com nações que têm seu próprio estado desde pelo menos o século 19.

Agora, diante da invasão da Rússia, os habitantes se sentem em primeiro lugar e principalmente ucranianos, inclusive aqueles que falam russo. Milhares de soldados ucranianos que defendem seu país são russófonos.

A impressão é que a invasão de Putin criou um ódio compreensível a todas as coisas russas na Ucrânia. Como você vê isso?

Mesmo antes da guerra, o Estado de Putin reivindicou um monopólio absoluto da língua e cultura russas, e considerou o uso da língua russa e a conexão com seu “espaço civilizacional” como uma e a mesma coisa.

Desde o início dos anos 2000, a Rússia tem promovido a concepção do “mundo russo” e usado o meio da cultura russa para difundir a ideologia conservadora, irredentista e nacionalista russa.

Mas, se nos anos 2000, o “mundo russo” foi uma ferramenta de soft power, a partir de 2014 tornou-se o motor da agressão militar russa, cujo objetivo é apagar a Ucrânia do mapa mundial.

Talvez investir a língua e a cultura imperial com um conteúdo descolonial pudesse ser uma solução para a sociedade ucraniana. Mas tal cenário só será possível quando a Rússia deixar de impor seu poder sobre a língua russa falada por milhões de pessoas que não se vêem refletidas no projeto político de Putin.

É muito difícil argumentar a favor da proteção da cultura russa na Ucrânia quando as elites políticas russas negam nada menos do que o direito dos ucranianos a existir. Os ucranianos estão sujeitos a bombardeios, estupros e assassinatos, perpetuados não por Putin, mas por soldados russos. Isto deixará uma ferida aberta entre os dois povos durante anos.

Quanto às atitudes em relação aos russos, a maioria dos ucranianos aceita e respeita os russos que lutam contra o regime de Putin. Conhecemos numerosos ativistas políticos e intelectuais russos e bielorrussos que estão agora na Ucrânia contribuindo para sua vitória de diferentes maneiras. O único problema que enfrentam é a máquina burocrática estatal ucraniana que os impede de obter rapidamente um passaporte ou status legal ucraniano no país.

Vale notar que Maksym Butkevich, um anarquista e defensor dos direitos humanos que ajudou refugiados russos e bielorrussos na Ucrânia, está agora no cativeiro russo.

Você poderia nos dar um sentido de atitude nos Donbas desde a independência? Como  prevê que a situação seja resolvida?

A região industrial de Donbas começou a ser povoada ativamente a partir do final do século XIX. A maioria da população, no entanto, se estabeleceu lá mais recentemente, como a fome artificial das áreas rurais despovoadas de 1932-33. Após a Segunda Guerra Mundial, as pessoas vindas de toda a União Soviética, mas principalmente da Rússia, vieram para os Donbas em busca de empregos na mineração de carvão.

Durante os anos 80, o acúmulo de deficiências econômicas na economia soviética e a ameaça de perder seu status privilegiado levaram os habitantes locais a apoiar a independência ucraniana, esperando que Donbas se tornasse a região dominante na economia e na política da Ucrânia.

Entretanto, como os estados pós-soviéticos caíram presa do capitalismo selvagem, a população perdeu até mesmo o privilégio simbólico que sentia de pertencer à vanguarda de uma nação soviética, e se encontrou uma minoria dentro de um país cuja cultura era até então percebida como “atrasada”. A sociedade civil era fraca e a população era radicalmente paternalista e nostálgica dos dias de glória do passado soviético.

Esta situação era terreno fértil para as máfias locais que não apenas assumiram o controle da política, da economia e da mídia na região, mas procuraram assumir o poder político em Kiev. Eles persuadiram os locais de que “os Donbas alimentam a Ucrânia” e que ela era explorada pelos ucranianos ocidentais para ocultar o fato de que eram os locais – o clã Yanukovych e os oligarcas aliados – que eram seus verdadeiros exploradores.

O ressentimento, o discurso anti-ocidental e a demonização de tudo o que era ucraniano eram usados para dividir e governar. Donbas ficou cada vez mais isolado do resto do país em termos políticos, econômicos e culturais.

A partir de 2009, a máfia de Donbas começou a administrar a Ucrânia. A popular revolta Maidan de 2014 colocou seu governo sob ameaça. Em resposta, Yanukovych e seu clã forneceram recursos-chave para o movimento separatista em Donbas, esperando ao menos preservar o poder sobre sua fortaleza.

Mas os desejos separatistas eram extremamente marginais e havia poucas evidências de apoio a uma revolta armada. Em abril de 2014, em meio a um histórico de apatia e desorientação geral, um ex-oficial russo Igor Girkin-Strelkov [Serviço de Segurança Federal], juntamente com várias dezenas de pessoas armadas, começou a assumir o controle das instituições locais e pediu a Moscou que enviasse “voluntários” para sustentar a “rebelião”.

As tensões e queixas existentes foram manipuladas por muito tempo tanto pelas elites ucranianas quanto pelas russas, mas é improvável que a guerra em Donbas tivesse acontecido sem a intervenção militar russa.

As repúblicas separatistas em Donbas tornaram-se zonas de corrupção, impunidade, violência e injustiça generalizada, onde a população enfrenta incerteza, pobreza extrema, repressão e abuso físico.

A Ucrânia tem promovido repetidamente o envio de uma força internacional de manutenção da paz para esses territórios. Penso que há uma chance de que os Donbas possam um dia retornar a uma vida pacífica. Mas, em minha opinião, isto só será possível após uma retirada completa das forças armadas russas e a subseqüente desmilitarização da Rússia.

Uma reconstrução econômica e ambiental, juntamente com a criação das condições necessárias para a expressão democrática, poderia provavelmente ser alcançada sob um mandato internacional de longo prazo das forças de manutenção da paz.