Pela defesa dos direitos reprodutivos das mulheres ucranianas na Ucrânia, na Polônia, na Europa e em toda parte: uma luta feminista global

Language
Português
Author
Collective
Tags
petitionabortion
www (1)

Desde 24 de fevereiro, as mulheres ucranianas enfrentam um aumento do nível de violência sexistas como resultado da invasão russa:

  1. As tropas russas recorrem massivamente ao estupro como arma de guerra contra mulheres e crianças.
  2. A violência doméstica contra mulheres e crianças aumentou significativamente.
  3. As mulheres refugiadas na Ucrânia e no exterior que buscam refúgio seguro enfrentam risco aumentado de violência sexual e de gênero. Os estupros e gravidezes forçadas resultantes são uma manifestação dessas formas de violência sexual e de gênero.

Embora o aborto seja legalmente permitido na Ucrânia por até 12 semanas, o acesso à saúde, incluindo serviços de saúde reprodutiva, é restrito devido à guerra. O problema é particularmente grave nos territórios ocupados, devido ao deslocamento de pessoal de saúde, ausência de medicamentos, ataques destinados às estruturas de saúde, etc. O acesso a um sistema de saúde reprodutiva seguro, incluindo planejamento familiar, contracepção, aborto e cuidados com o recém-nascido, a maternidade está altamente comprometido.

Muitas mulheres e crianças ucranianas que fogem da guerra se refugiam na vizinha Polônia, onde o aborto é considerado crime e o acesso à contracepção um dos piores da Europa. Desde janeiro de 2021, novas leis de aborto proíbem qualquer interrupção da gravidez, exceto em casos de estupro, incesto ou risco à vida da mãe. Teoricamente, é possível que uma vítima de estupro ucraniana tenha acesso a um aborto na Polônia. Mas a lei polonesa exige que o estupro seja comprovado por uma investigação criminal para obter permissão legal para praticar um aborto. Isso muitas vezes é impossível e leva tanto tempo que se torna impossível interromper a gravidez dentro do tempo necessário.

Na prática, as mulheres ucranianas deslocadas e todas as pessoas sujeitas às leis polonesas são obrigadas a escolher entre levar a termo uma gravidez indesejada em uma situação precária ou correr riscos significativos por meio de abortos clandestinos. Quando as mulheres ucranianas deslocadas finalmente conseguem chegar a um país onde o aborto é legal, é mais do que provável que tenham ultrapassado o prazo legal, doze semanas na maioria dos países europeus.

Além disso, em alguns países anfitriões, como a Eslováquia, o acesso ao aborto para mulheres ucranianas é questionado. Na Hungria, todas as mulheres devem ter pelo menos cinco consultas médicas antes de terem acesso a um aborto. E na Moldávia, as mulheres ucranianas não podem acessar facilmente o sistema de saúde subfinanciado e muitas vezes não podem ter acesso aos direitos reprodutivos em clínicas privadas.

Defender nossos direitos reprodutivos, na Ucrânia, na Polônia e em todos os lugares, é uma luta feminista global nestes tempos de recuo conservador e neoliberal em todo o mundo. O direito ao aborto continua sendo desafiado em diferentes níveis e frentes em muitos países; enquanto em outros as mulheres continuam lutando para conquistar esse direito. Os ataques aos direitos reprodutivos das mulheres fazem parte de uma estratégia geral de destruição e controle sistemáticos dos direitos das mulheres e dos trabalhadores por forças conservadoras e neoliberais. Apelamos a todos aqueles que defendem os direitos das mulheres em todo o mundo para se juntarem a nós na luta pelo direito das mulheres ao aborto livre e seguro na Ucrânia, Polónia, em toda a União Europeia e além.

Nós exigimos que

A legalização imediata do aborto na Polônia O direito ao aborto seguro em todos os lugares. O desenvolvimento e fortalecimento de serviços de saúde pública que permitam o acesso aos direitos de saúde reprodutiva para todas as mulheres na Ucrânia, em todos os países europeus e no mundo